!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

9 de julho de 2008

Exposição Tripla


E Swingtown continua melhorando. Apesar de nada novo, apenas mais desenvolvimento aos personagens, Double Exposure, foi um bom episódio, afinal não dá para esperar um monte de novidades o tempo todo. Nesse episódio foi a vez da festinha na casa dos Millers, a Susan Miller inventou uma "housewarming party" de última hora como pretexto para se reaproximar da sua ex-vizinha Janet, que planejou toda a festa. Ou melhor quase toda a festa, ela não contava com os convidados da Trina e nem com o surto da prórpia Susan Miller, que já tinha decido que o papel de parede da sala era horrível, quando decidiu arrancar tudo em plena festa, uma provável metáfora do que está por vir. A Susan Miller estava muito indecisa com relação a continuar ou não com todo o lance do swing, e isso pode ser um sinal do que ela realmente quer, não ter mais dúvidas e prosseguir com seus novos desejos. Assim como ficou claro, na cena que a Janet experimenta escondida o fondue da Trina, que ela também tem vontade de experimentar o que a Susan já experimentou e a Trina é mestra, mas tem que ser escondido. É muito bom saber que temos séries com Swingtown, que consegue ser adulta e madura sem precisar ser vulgar. Espero que a série resista, afinal a audiência vem caindo um pouco e todos sabemos que os produtores só visam lucro.


*****


Não está sendo fácil aceitar, mas eu devo confessar que essa temporada de Weeds não está me agradando como eu gostaria. Cadê aquela Celia fodona e com todas as balls possíveis, das temporadas passadas? Cadê aquele Shane esperto e da língua afiada que tanto já me fez rir? Cadê aquela interação legal entre a Nancy e o mundo da marijuana? Sinto falta da velha 'Weeds', será que é somente uma fase de adaptação? Afinal de contas mudanças tem dessas coisas, novas amizades, novos dramas, novas situações, é muita coisa nova de uma vez só. Queria um pouco mais do velho. No episódio The Whole Blah Damn Thing, a Nancy faz mais uma tentativa de sair do méxico sem passar pela vistoria e dessa vez consegue, e ainda por cima traz com ela um mexicano escondido. Muito legal todo esse lance de méxico e fronteiras e blá blá blá, mas cá entre nós, eu prefiro a Nancy com as weeds. A Celia parece que vai ser melhor aproveitada a partir do próximo episódio, investigando a vida da Nancy em troca de liberdade e o Andy tem rendido bem na relação com o pai. Vamos esperar para ver o que acontece, o "on the next all new Weeds" do final do episódio foi interessante. Espero que assim seja daqui pra frente, por que eu realmente gosto da série.


*****


Nem acredito que esperei tanto tempo assim para assistir Dirty Sexy Money. Eu já li e ouvi algumas coisas não tão legais sobre a série, e devo confessar que pode até ser que no geral a série nem seja lá grandes coisa, mas eu realmente adorei esses dois primeiros episódios. Vai ser bem divertido acompanhar a saga dos Darlings, essa família completamente desestruturada! Todo mundo ali tem uma coisinha "fora de ordem". Seja a matriarca Letitia (Jill Clayburgh), socialite sofisticada que teve um caso com um dos empregados mais queridos da família, seja o patriarca Tripp (Donald Sutherland), o criador de tudo (e acreditem, isso já basta), ou seja os filhos, Patrick (William Baldwin), 'político dos princípios', que concorre ao senado e parece ser do tipo que adora escândalos, Karen (Natalie Zea), a divorciada profissional, que é de longe a mais normal, já se casou 3 vezes (indo pra quarta) e nunca superou a paixonite pelo novo advogado da família, Nick (Peter Krause), filho do tal empregado que se envolveu com a mãe, Reverendo Brian (Glenn Fitzgerald), o homem de Deus, que enfrenta um problema envolvendo um filho fora do casamento e por último os gêmeos Jeremy e Juliet (Seth Gabel e Samaire Armstrong, respectivamente) ele um completo desocupado, ela aspirante a atriz que não consegue nada sem a ajuda do pai. E além de tudo isso, eu gostei muito do timing cômico da série, que aparentemente vai ficar a cargo da Karen, da Juliet e do Jeremy, principalmente. Sem contar aqueles ringtones personalizados para cada pessoa da família. Muito cool. =D

9 comentários:

Vinícius P. disse...

Vejo "Weeds" até sexta, como prometido, hehehe. Ainda assim, vi toda a primeira temporada de "Dirty Sexy Money" e adoro essa série, sem dúvida foi uma das melhores surpresas do último ano. Meu preferido é o Glenn Fitzgerald, mas os demais também estão ótimos.

cinefilapornatureza disse...

"Dirty Sexy Money" é um guilty pleasure. Comecei a assistir ao seriado por causa do Peter Krause, sem esperar muita coisa, mas o programa tem uma trama que nos envolve demais. Adoro Letitia e Tripp, mas acho que o seriado poderia ter maneirado um pouco na quantidade bombástica de revelações feitas nessa temporada. :-)

Petter disse...

HAHÁ.
Todos estão fugindo das novidades, devo confessar.
Acho que vem uma boa temporada por aí né.
Abraços

Isabela disse...

Gente, Swingtown ta muito boa de assistir, e fiquei triste ao ver essa semana um artigo na net, que por causa da baixa audiencia a serie ja esta pela bola sete. Uma pena!

Weeds tambem nao tem me agradado. Estou com saudades de agrestic, da musica e da abertura, do Conrad e de tantas coisas. Espero que melhore.

Marcel Gois disse...

Vinícius, espero sua opinião sobre weeds! =D

Kamila, é um guilty pleasure mesmo, muito gostosinha de assistir, eu nem senti o tempo passar vendo os dois primeiros episódios, já tenho mais 3 aqui pra ver.

Petter, espero que sim, estou sendo bonzinho e dando uma chance pra ver se melhora.

Isabela, também estou adorando swingtown, uma pena o risco que ela corre. E Weeds, eu também espero que melhore.

Lucas Santtos disse...

Eai cara. eu nao sei se começo a ver essa novata ai naoo! mais to achando que nao vou gostar! Eu baxei o pilto de DSM mais ainda nao vii (Novidade! néh?) HSUDHAUSH!

euseries disse...

Comecei a assistir SWINGTOWN, mas desisti, isso no segundo episódio.

Nunca vi Weeds, tenho vantade, mas não tenho tempo.


E, DSM, também desisti. Os personagens são legais, a premissa é interessante, porém, o roteiro cansa. Eu percebi isso depois do terceiro episódio, vamos ver o que você vai achar do próximo.

[Eu acho o William Baldwin o máximo]

Weiner disse...

Marcel, eu não vejo esta série, por isso lhe peço permissão para ficar em silêncio, ok?
Um grande abraço!

Marcelo Silva disse...

No caso, a parceria seria apenas uma troca de links, mas caso tenha outras idéias... sem problemas, é só dizer.

abraço!