!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

26 de janeiro de 2015

Filmes Lançamentos: Foxcatcher

Uma História que Chocou o Mundo


Foxcatcher


Drama - 2014 (Estados Unidos)
Data de Estreia no Brasil: 29/01/2015
Distribuidora: Sony Pictures

Direção: Bennett Miller (O Homem Que Mudou o Jogo e Capote Capote)
Elenco: Steve Carell, Channing Tatum, Mark Ruffalo, Sienna Miller.
Roteiro: E. Max Frye e Dan Futterman (Capote)


O filme conta a história de John E. du Pont, o herdeiro paranóico e esquizofrênico que, depois de construir um centro de treinamento de luta-livre na Pensilvânia, envolveu-se com os irmãos Mark e David Schultz, medalhistas de ouro no esporte - com resultados trágicos. (Cinema em Cena)

Campeão olímpico de luta greco-romana, Mark Schultz (Channing Tatum) sempre treinou com seu irmão mais velho, David (Mark Ruffalo), que é também uma lenda no esporte. Até que, um dia, recebe um convite para visitar o milionário John du Pont (Steve Carell) em sua mansão. Apaixonado pelo esporte, du Pont oferece a Mark que entre em sua própria equipe, a Foxcatcher, onde teria todas as condições necessárias para se aprimorar. Atraído pelo salário e as condições de vida oferecidas, Mark aceita a proposta e, assim, se muda para uma casa na propriedade do milionário. Aos poucos eles se tornam amigos, mas a difícil personalidade de du Pont faz com que Mark acabe seguindo uma trilha perigosa para um atleta. (Wikipédia)


Ratings:

Foxcatcher recebeu aclamação da crítica, com muitos elogios ao desempenho de Carell, Tatum, e Ruffalo. O filme oferece aos atores uma chance de brilhar - e todos os três estão à altura do desafio.

Até a data de hoje, no IMDB, com mais de 28 mil votos, o filme rankeou com uma nota de 7,3/10. Enquanto no Rotten Tomatoes o filme tem 87% de aprovação baseado em  195 críticas, com uma média de 7,9/10. E no Metacritic, o filme alcançou 81 pontos de 100, baseado em 49 críticas.

Justin Chang, (Variety) elogiou o filme, escrevendo que "Steve Carell, Mark Ruffalo e Channing Tatum dão performances soberbas". Eric Kohn (Indiewire) também reagiu positivamente ao filme, com a maioria do seu louvor indo para as performances de Carell e Tatum. Donald Clarke (The Irish Times) elogiou a direção de Miller, dizendo que ele "acerta o passo com um retrato impressionante de psicopatia e decadência moral num ambiente improvável de luta olímpica." Todd McCarthy do The Hollywood Reporter, elogiou o desempenho de Carell, anunciando a atuação como um ponto de mudança na carreira do ator.

A reação de Mark Schultz para o filme tem sido variada devido ao assunto intensamente pessoal. Ele apoiou o filme no geral, em toda a sua criação e atuou como consultor para o filme. Em certo ponto ele ficou irritado e criticou Bennett Miller após críticos apontarem 'conotações homossexuais' na representação da relação entre Mark Schultz e du Pont. Schultz então exigiu que Miller direcionasse a questão ou ele iria.

Schultz disse que "as cenas de Foxcatcher são na sua maioria retiradas do meu livro (exceto algumas). Mas as relações e as personalidades são ficção completa." Várias semanas após estas declarações, Schultz se retratou das críticas feitas ao filme, dizendo que "Foxcatcher é um milagre. Me desculpe, eu disse que eu odiava. Eu amo", e pediu desculpas a Miller.

Confira o trailer abaixo:





Nomeado ao OSCAR de Melhor Diretor, Melhor Ator (Steve Carell), Melhor Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo), Melhor Roteiro Original, Melhor Cabelo e Maquiagem.
Nomeado ao Golden Globe Awards nas categorias de Melhor Filme - Drama, Melhor Ator - Drama (Steve Carell) e Melhor Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo).
Nomeado à Palma de Ouro no Cannes Film Festival.
Nomeado ao Screen Actors Guild Awards nas categorias de Melhor Ator (Steve Carell) e Melhor Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo).
Nomeado ao Satellite Awards  nas categorias de Melhor Ator (Steve Carell) e Melhor Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo).
Nomeado ao British Academy Film Awards (BAFTA) de Melhor Ator Coadjuvante para Mark Ruffalo e Steve Carell.
Nomeado ao San Francisco Film Critics Award na categoria de Melhor Ator Coadjuvante (Mark Ruffalo).
Nomeado ao Writers Guild of America Awards na categoria de Melhor Roteiro Original.

Vencedor do prêmio de Melhor Diretor em Cannes
Vencedor do Santa Barbara International Film Festival na categoria de Melhor Ator (Steve Carell).
Vencedor do prêmio do Júri no Gotham Independent Film Awards ao Elenco do filme (Steve Carell, Mark Ruffalo, Channing Tatum, Vanessa Redgrave, Sienna Miller)
Vencedor do Hollywood Film Awards na categoria de Melhor Elenco (Steve Carell, Mark Ruffalo, Channing Tatum, Vanessa Redgrave, Sienna Miller)

Leia Mais ››

23 de janeiro de 2015

Filmes Lançamentos: A Entrevista

Entenda a controvérsia gerada entre a Sony, o governo dos EUA e da Coréia do Norte.


A Entrevista


Comédia - 2014 (Estados Unidos)
Data de Estreia no Brasil: 29/01/2015
Distribuidora: Sony Pictures

Direção de Seth Rogen e Evan Goldberg

Elenco: Seth Rogen, James Franco, Randall Park, Lizzy Caplan, entre outros.
Roteiro: Seth Rogen Evan Goldberg


Dave Skylark (James Franco) e seu produtor Aaron Rapoport (Seth Rogen) conduzem o popular programa de TV sobre celebridades “Skylark Tonight”. Quando descobrem que o ditador norte-coreano Kim Jong-Un é fã do show, eles marcam uma entrevista com ele na tentativa de conseguirem sua aprovação como jornalistas sérios. Mas quando Dave e Aaron se preparam para viajar à Pyongyang, seus planos mudam no momento em que a CIA os recruta, mesmo sendo os homens mais desqualificados possíveis, para assassinar Kim Jong-Un.


Ratings: 


Até a data de hoje, no IMDB, com mais de 143 mil votos, o filme rankeou com uma nota de 7,1/10. Enquanto no Rotten Tomatoes o filme tem 52% de aprovação baseado em  89 críticas, com uma média de 5,8/10. E no Metacritic, o filme alcançou 52 pontos de 100, baseado em 31 críticas.

Jordan Hoffman do The Guardian deu ao filme 3 de 5 estrelas e disse: "Se este filme não essencial, mas agradável, realmente desencadeou uma resposta internacional, esta é a vida refletindo a arte de uma forma significativa".

Scott Foundas do Variety pintou o filme como um "afogamento cinematográfico" e disse que ele é "quase tão engraçado quanto uma escassez de alimentos no comunismo, e tão prolongada quanto", mas elogiou o desempenho de Randall Park e Diana Bang.

Mike Hale do The New York Times também elogiou Park and Bang, mas escreveu que "depois de ver "A Entrevista" e o tumulto que sua mera existência tem causado, a única reação sensata é espanto para o enorme desconexão entre a inocuidade do filme e a crueldade da resposta".

A Entrevista estreia no Brasil, no dia 29 de janeiro de 2015 e marca o reencontro de James Franco, Seth Rogen e Evan Goldberg nas telonas. O trio tabalhou juntos em "Segurando as Pontas" e "É o Fim".


Controvérsia:


Em 20 de junho de 2014, Kim Myong-chol, um porta-voz não oficial do governo norte-coreano, disse que o filme "mostra o desespero do governo dos EUA e da sociedade americana" (...) "um filme sobre o assassinato de um líder estrangeiro reflete o que os EUA fez no Afeganistão, Iraque, Síria e Ucrânia". 

Em 25 de junho de 2014, a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA), a agência de notícias estatal da Coreia do Norte, informou que o governo prometeu uma impiedosa retaliação se o filme fosse lançado, afirmando que "fazer e liberar um filme que retrata um ataque à nossa maior liderança é um ato de terrorismo e guerra e não vai ser tolerado". 

Em 11 de julho de 2014, o embaixador das Nações Unidas, Ja Song-nam, da Coreia do Norte, condenou o filme dizendo que "a produção e distribuição de um filme como este, sobre o assassinato de um chefe titular de um Estado soberano, deve ser considerado como o patrocinador mais indisfarçável de terrorismo, bem como um ato de guerra". Em 17 de julho de 2014, a KCNA escreveu ao presidente dos EUA, Barack Obama, pedindo para ter a estréia do filme cancelado.

Em agosto de 2014, logo após o lançamento, o filme foi adiado para 25 de dezembro. Foi relatado que a Sony tinha feito alterações pós-produção do filme para reduzir a sua insensibilidade para com a Coreia do Norte e que estas alterações incluíram modificações nos modelos de broches usados pelos personagens, originalmente modelado a partir de broches reais usados por militares norte-coreanos, além de planos para cortar uma parte da cena da morte de Kim Jong-un.

Seth Rogen previu que o filme iria causar uma revolução no país e dias depois o "Business Insider" informou que havia uma grande demanda por cópias piratas do filme na Coreia do Norte.

Em dezembro de 2014, hackers emitiram um alerta ameaçando atacar a estréia do filme em Nova York, afirmando: 

"Vamos mostrar claramente a você, no mesmo momento e lugar em que "A Entrevista" será exibido, como o destino daqueles que procuram diversão no terror deve ser condenado. Logo todo o mundo vai ver o que um filme horrível da Sony Pictures Entertainment fez. O mundo vai estar cheio de medo. Lembre-se do 11 de Setembro de 2001. Recomendamos que você mantenha-se distante dos lugares na época. (Se a sua casa está próxima, é melhor você ir embora.) O que acontecer nos próximos dias é responsabilidade da ganância da Sony Pictures Entertainment."

A Sony então cancelou a estréia em Nova York e mais tarde naquele dia, outras grandes redes de cinema, incluindo AMC, Cinemark, Cineplex, Regal, entre outras, cancelaram a exibição do filme supostamente sob a pressão dos shoppings onde muitos cinemas estavam localizados, que temiam que o ameaça terrorista prejudicassem suas vendas.

No mesmo dia, a Sony declarou que não tinha planos para lançar o filme em qualquer plataforma, incluindo vídeo doméstico. 

Em 18 de dezembro, mais duas mensagens foram liberados. Uma delas, enviada em uma mensagem privada para executivos da Sony, afirmou que os hackers não iria liberar mais informações se a Sony nunca liberasse o filme. A outra, postou no Pastebin, um aplicativo usado para o armazenamento de texto que os Guardiães da Paz usaram para mensagens anteriores, afirmou que a Sony tinha "sofrido o suficiente" e que poderia liberar o filme, mas somente se a cena da morte de Kim Jong-un não fosse "muito feliz". A mensagem também ameaçou que, se a Sony fizesse outro filme antagonizando a Coréia do Norte, os hackers "estariam prontos para lutar".

O cancelamento afetou ainda outros filmes que retratam a Coreia do Norte e a Sony recebeu críticas por cancelar o lançamento do longa. 

Peter Bradshaw do The Guardian escreveu que era uma "derrota americana sem precedentes" , mas que "a Coreia do Norte iria sentir o gosto da assombração do bullying que praticaram com eles". 

Em conferência de imprensa, o presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou que, embora ele fosse simpático com a necessidade da Sony em proteger os trabalhadores, achou que a Sony tinha "cometido um erro. Não podemos ter uma sociedade na qual algum ditador em algum lugar possa começar a impor a censura nos Estados. Eu gostaria que eles tivessem falado comigo primeiro eu teria dito: não demonstrem que estão intimidados"

O presidente da Sony afirmou que o cancelamento foi em resposta à recusa das redes de cinema em exibir o filme, não às ameaças dos hackers, e que a Sony iria procurar outras maneiras de distribuir o filme. Afirmou ainda que a empresa "é e sempre tem sido fortemente comprometida com a Primeira Emenda: A liberdade de expressão nunca deve ser suprimida por ameaças e extorsão."

E justamente por isso o filme foi finalmente lançado.

Confira o trailer final abaixo:



Leia Mais ››

22 de janeiro de 2015

Tem brasileiro no Festival de Sundance

Começou hoje, 22 de janeiro, a 37ª edição anual do Festival de Sundance, um dos maiores festivais de cinema independente no mundo. 


O festival foi criado em 78 pelo ator Robert Redford, que abriu a edição deste ano com a tradicional coletiva de imprensa na estação de esqui Park City, em Utah. Ele que também estrela um dos filmes do festival chamado "A Walk in the Woods", baseada no livro homônimo do escritor de relatos de viagens Bill Bryson.

E a expectativa em torno do festival é grande, pois dois grandes destaques deste ano nas telonas americanas, “Boyhood” e “Whiplash”, fizeram sua estreia ano passado, em Sundance.  E além disso, tem gostinho especial para nós brasileiros, já que estamos sendo representado na competição com o drama "Que Horas Ela Volta?", de Anna Muylaert. Único filme latino-americano no festival, que acontece até 1º de fevereiro na cidade de Park City, Estado de Utah.

O filme conta a história de Val (Regina Casé), uma empregada doméstica  que deixa a filha em Pernambuco, para tentar a vida em São Paulo. Depois de passar 13 anos como babá do menino Fabinho, Val tem estabilidade financeira mas convive com a culpa por não ter criado sua filha Jéssica. Às vésperas do vestibular do menino, no entanto, ela recebe um telefonema da filha que parece ser sua segunda chance. Val então prepara a tão sonhada vinda da filha, apoiada por seus patrões, mas quando Jéssica chega, ela não é o que se esperava dela.

Em 2014, o filme foi exibido no festival de Locarno, na Suíça. A estreia nos cinemas brasileiros será em 2015, mas ainda não tem data confirmada. E o festival de Sundance descreveu o filme como "uma visão inovadora e contemporânea das classes sociais no Brasil". 

"Que horas ela volta?" é um dos 200 títulos que serão exibidos no prestigioso evento, conhecido por dar lugar a estreias que, um ano depois, acabam recebendo atenção durante a temporada de prêmios de Hollywood, como aconteceu com os já citados “Boyhood” e “Whiplash”, ambos indicados a várias estatuetas no Oscar 2015

Entre os destaques desta edição estão: 
Knock Knock, terror de Eli Roth, o mesmo diretor de O Albergue, com Keanu Reeves;
Kurt Cobain: Montage of Heck, documentário que promete mostrar o lado mais íntimo do ex-vocalista no Nirvana;
Strangerland que revela o calvário de Nicole Kidman e Joseph Fiennes quando os filhos do casal desaparecem no deserto;
The Stanford Prison Experiment, que mostra Ezra Miller e Billy Crudup envolvidos no experimento psicológico real que despertou controvérsias nos anos 1970.
Last Days in the Desert, em que Ewan McGregor interpreta Jesus Cristo nos 40 dias que passou no deserto; 
The End of the Toura ficção biográfica sobre o escritor David Foster Wallace, com Jason Segel no papel do escritor;
Z for Zachariah traz Margot Robbie como sobrevivente de uma catástrofe mundial
Slow Westthriller  que conta a história da viagem de um rapaz de 16 anos em busca de sua amada, acompanhado de um misterioso viajante, e tem no elenco Kodi Smith-McPhee e Michael Fassbender.
Leia Mais ››

20 de janeiro de 2015

O Grande Hotel Budapeste

É o novo filme do diretor Wes Anderson, que narra um período peculiar na vida de M. Gustave. e Zero Moustafa, ilustres funcionários do Grande Hotel Budapeste. 


No período entre as duas guerras mundiais, M. Gustave, o lendário concierge* de um famoso hotel europeu, conhece Zero, um jovem Lobby Boy recém contratado pelo hotel onde ele trabalha. Os dois tornam-se grandes amigos e dentre as aventuras vividas por eles, constam o roubo de um famoso quadro do Renascimento e a batalha pela grande fortuna de uma família, tudo sob o cenário de um continente que passa por inesperadas e dramáticas transformações históricas durante a primeira metade do século XX.

Dirigido por Wes Anderson

Com: Ralph Fiennes, Tony Revolori, Jude Law, Tilda Swinton, F. Murray Abraham, Harvey Keitel, Mathieu Amalric, Saoirse Ronan, Bill Murray, Owen Wilson, Edward Norton, Jeff Goldblum, Adrien Brody, Jason Schwartzman, Bob Balaban, Tom Wilkinson e Willem Dafoe.


O Grande Hotel Budapeste é uma comédia escrita e dirigida por Wes Anderson e inspirada nos escritos de Stefan Zweig,  um dos escritores mais famosos e vendidos do mundo década de 20. Austríaco de origem judaica, Zweig suicidou-se durante seu exílio no Brasil, em Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, deprimido com a expansão da barbárie nazista pela Europa, durante a Segunda Guerra Mundial (mas essa história não é contada no filme rs).

Um dos maiores indicados no Oscar 2015, com nove indicações (dentre elas, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original), o filme trata-se de uma parceria anglo-alemã no melhor estilo próprio do Wes Anderson. Se você já viu outros trabalhos do diretor e não é um grande fã talvez seja melhor passar direto, mas se você gosta e admira o trabalho dele: vai fundo. Takes parados, cores em tons pasteis, construção e desconstrução de cenas em cortes rápidos: tá tudo ali.

Ou seja, uma direção afiada e um roteiro demarcado e bem amarrado (que vem alcançando reconhecimento nas principais premiações da crítica dos EUA), Anderson capricha, como sempre, na parte estética do filme, com uma fotografia lindíssima e sets de tirar o fôlego, o filme vai sendo construído em torno de uma Alemanha fria em plena época de guerra. Percebe-se que as locações foram cuidadosamente escolhidas e de certa modo me lembraram um pouco as locações extravagantes de "Dublê de Anjo", um filme pouco conhecido que foi estrelado por Lee Pace e dirigido por Tarsem Singh, vale muito a pena assistir.

Mas voltando ao "Grande Hotel Budapeste", pode-se dizer que ele foi quase que completamente sustentado na narrativa do Lobby Boy, fiel escudeiro do famoso concierge do Hotel. E aqui vale evidenciar mais um traço marcante dos filmes de Wes Anderson: a narração em off. O filme é dividido em cinco partes que vai desde a forma como os dois se conheceram até os dias atuais do hotel, contando de uma forma "engraçada", detalhes sobre o tempo glorioso do Hotel e de alguns dos seus mais ilustres hóspedes e visitantes, além dos desdobramentos do envolvimento do M. Gustave com uma rica senhora frequentadora do Hotel, que possui uma herança desejada até pelos parentes mais distantes. E vale mencionar ainda "fofura-longínqua" do envolvimento amoroso de Zero Mustava (nosso querido narrador) com Agatha, funcionária de uma prestigiada loja de doces da cidade, vivida por Saiorse Ronan.


Nomeado ao OSCAR de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original, Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Design de Produção, Melhor Figurino, Melhor Trilha Sonora Original e Melhor Maquiagem e Cabelo.
Nomeado ao Globo de Ouro de Melhor Filme - Musical ou Comédia, Melhor Diretor, Melhor Ator - Musical ou Comédia (Ralph Fiennes) e Melhor Roteiro.
Nomeado ao BAFTA de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro original, Melhor Ator (Ralph Fiennes), Melhor Trilha Sonora, Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Produção, Melhor Figurino, Melhor Design de Produção, Melhor Maquiagem e Cabelo.

Vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme - Musical ou Comédia.
Vencedor do London Film Critics' Circle Awards de Roteirista do Ano.
Vencedor do New York Film Critics Circle Award de Melhor Direção.
Vencedor do Chicago Film Critics Association Awards de Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia e Melhor Roteiro Original.
Vencedor do Florida Film Critics Circle Awards de Melhor Elenco, Melhor Roteiro Original e Melhor Direção de Arte.
Vencedor do Los Angeles Film Critics Association Awards de Melhor Roteiro e Melhor Design de Produção.
Vencedor do Critics' Choice Awards de Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Comédia.


*Curiosidade:
Em hotéis, o concierge é um profissional que tem um balcão na entrada do hotel (conciergerie, em francês, ou conciergeria), responsável por ajudar os hóspedes em qualquer pedido que estes tenham, dos mais extravagantes ao mais simples como chamar um táxi, dar informações sobre o próprio hotel e sobre seus serviços ou sobre a cidade e seus pontos turísticos, venda de passeios na região, locação de carros, reservas e indicações de restaurantes, ligar para farmácia, floricultura ou tabacaria. Desempenha um papel de ajuda a todos integrantes do hotel, fazendo tarefas quando solicitadas.
Leia Mais ››

15 de janeiro de 2015

O Brasil no Oscar

O documentário "O Sal da Terra", que representa o Brasil no Oscar 2015, fala sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado. O filme foi dirigido pelo alemão Win Wenders e pelo brasileiro Juliano Salgado, filho de Sebastião.



Parceria entre França, Brasil e Itália,  o documentário "O Sal da Terra", conta um pouco da longa trajetória do renomado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e apresenta seu ambicioso projeto "Gênesis", expedição que tem como objetivo registrar, a partir de imagens, civilizações e regiões do planeta até então inexploradas.

Os bastidores desse projeto são revelados pelas lentes cinematográficas de Wim Wenders e do próprio filho de Sebastião Salgado, Juliano Ribeiro Salgado, e resume mais de quatro décadas de viagens por todo o mundo, nos quais o brasileiro visitou áreas virgens e isoladas de todo contato humano.

Vitorioso no Prêmio do Júri na Mostra "Um Certo Olhar" no Festival de Cannes 2014, o documentário foi indicado hoje, para o Oscar 2015. O anúncio foi feito nesta manhã (15.01) pela Academia de Hollywood.

Entre os outros indicados estão "Citizen Four", sobre o vazamento de segredos dos EUA por Edward Snowden, "Finding Vivian Maier", "Last days" e "Virunga".

Esta não foi a primeira indicação do Brasil no Oscar nessa categoria específica. Em 2010 o documentário, Lixo Extraordinário, de Lucy Walker e Angus Aynsley, também recebeu uma indicação.


Alegria para uns, tristeza para outros.


O curta brasileiro "O Caminhão do Meu Pai", de Mauricio Osaki, primeira colaboração da história do cinema entre Brasil e Vietnã, conta a história da pequena Mai Vy, uma menina vietnamita que tem um dia ruim na escola e tem de passar o dia com o pai, que dirige seu caminhão pelas estradas do Vietnã, onde transporta agricultores pelos campos de arroz do país. Ele a nomeia sua assistente e ela passa a recolher o dinheiro dos passageiros. Tudo vai bem até que ela descobre uma segunda atividade de seu pai. É então que percebe que certo e errado são conceitos amplos, tão vastos quanto as planícies de sua terra.


Este projeto foi selecionado para o Festival de Berlim 2013 e estava entre os pré-indicados, na categoria de Melhor Curta-Metragem em 'Live-Action', mas infelizmente ficou fora da lista final.


Clique aqui e veja um vídeo que fala sobre o curta, apresentado pela Assistente de Direção do próprio curta, Flávia Guerra.

Os indicados foram:
Aya
Boogaloo and Graham
Butter Lamp (La Lampe au Beurre de Yak)
Parvaneh
The Phone Call



A única indicação do Brasil nesta categoria do Oscar foi em 2004, por Uma História de Futebol, de Paulo Machline.


Leia Mais ››

Veja lista de indicados ao Oscar 2015

"Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)" e "O grande hotel Budapeste" foram os grandes nomes da lista e apareceram com como nove indicações cada, incluindo melhor filme. Cerimônia de entrega acontece no dia 22 de fevereiro, em Los Angeles.



Hoje, quinta-feira (15.01), a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood revelou os indicados ao Oscar 2015. Os nomes dos concorrentes foram anunciados pelos diretores J.J. Abrams e Alfonso Cuaron, pelo ator Chris Pine e pela presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs. 

O evento aconteceu em Bervely Hills, nos Estados Unidos. E a cerimônia de entrega das estatuetas acontece em 22 de fevereiro. 

"Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)" e "O grande hotel Budapeste" foram os grandes nomes da lista e apareceram com como nove indicações cada, incluindo melhor filme. Em seguida apareceu "O Jogo da Imitação", com oito. E "Boyhood: Da infância à juventude" com seis indicações.

Melhor Filme

Sniper americano
Birdman
Boyhood: Da infância à juventude
O grande hotel Budapeste
O jogo da imitação
Selma
A teoria de tudo
Whiplash


Melhor Diretor

Alejandro Gonzáles Iñárritu (Birdman)
Richard Linklater (Boyhood)
Bennett Miller (Foxcatcher: Uma história que chocou o mundo)
Wes Anderson (O grande hotel Budapeste)
Morten Tyldum (O jogo da imitação)


Melhor Ator

Steve Carell (Foxcatcher)
Bradley Cooper (Sniper americano)
Benedict Cumbertatch (O jogo da imitação)
Michael Keaton (Birdman)
Eddie Redmayne (A teoria de tudo)


Melhor Ator Coadjuvante

Robert Duvall (O juiz)
Ethan Hawke (Boyhood)
Edward Norton (Birdman)
Mark Ruffalo (Foxcatcher)
JK Simons (Whiplash)


Melhor Atriz

Marion Cotillard (Dois dias, uma noite)
Felicity Jones (A teoria de tudo)
Julianne Moore (Para sempre Alice)
Rosamund Pike (Garota exemplar)
Reese Whiterspoon (Livre)


Melhor Atriz Coadjuvante

Patricia Arquette (Boyhood)
Laura Dern (Livre)
Keira Knightley (O jogo da imitação)
Emma Stone (Birdman)
Meryl Streep (Caminhos da floresta)


Melhor Roteiro Original

Birdman
Boyhood
Foxcatcher
O Grande Hotel Budapeste
O Abutre


Melhor Roteiro Adaptado

Sniper Americano
O Jogo da Imitação
Vício Inerente
A Teoria de Tudo
Whiplash


Melhor Fotografia

Birdman
O Grande Hotel Budapeste
Ida
Sr. Turner
Invencível


Melhor Edição

Sniper Americano
Boyhood
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Whiplash


Melhor Figurino

O Grande Hotel Budapeste
Vício Inerente
Caminhos da floresta
Malévola
Sr. Turner


Melhor Design de Produção

O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Interestelar
Caminhos da Floresta
Sr. Turner


Melhor Animação

Operação Big Hero
Como Treinar o seu Dragão 2
Os Boxtrolls
Song of the Sea
The Tale of The Princess Kaguya


Melhor Filme em Língua Estrangeira

Ida (Polônia)
Leviatã (Rússia)
Tangerines (Estônia)
Timbuktu (Mauritânia)
Relatos Selvagens (Argentina)


Melhores Efeitos Visuais

Capitão América 2: O soldado invernal
Planeta dos Macacos: O confronto
Guardiões da Galáxia
Interestelar
X-Men: Dias de um futuro esquecido


Melhor Maquiagem e Cabelo

Foxcatcher
O Grande Hotel Budapeste
Guardiões da Galáxia


Melhor Trilha Sonora

O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Interestelar
Sr. Turner
A Teoria de Tudo


Melhor Canção

"Everything is Awesome", de Shawn Patterson (Uma Aventura Lego)
"Glory", de John Stephens (John Legend) e Lonnie Lynn (Common) (Selma)
"Grateful", de Diane Warren (Além das Luzes)
"I'm Not Gonna Miss You", de Glen Campbell e Julian Raymond (Glen Campbell…I'll be me)
"Lost Stars", de Gregg Alexander e Danielle Brisebois (Mesmo se Nada der Certo)


Melhor Edição de Som

Sniper Americano
Birdman
O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos
Interestelar
Invencível


Melhor Mixagem de Som

Sniper Americano
Birdman
Interestelar
Invencível
Whiplash


Melhor Animação em Curta-Metragem

The Bigger Picture
The Dam Keeper
Feast
Me and My Moulton
A Single Life


Melhor curta-metragem em 'live-action'

Aya
Boogaloo and Graham
Butter Lamp (La Lampe au Beurre de Yak)
Parvaneh
The Phone Call


Melhor Documentário

O Sal da Terra
CitizenFour
Finding Vivian Maier
Last days
Virunga


Melhor Documentário em Curta-Metragem 

Crisis Hotline: Veterans Press 1
Joanna
Our Curse
The Reaper (La Parka)
White earth
Leia Mais ››

Veja os vencedores do Globo de Ouro 2015

Confira os ganhadores nas categorias de Cinema.


A 72ª edição do Globo de Ouro aconteceu na noite do último domingo (11) e foi mais uma vez apresentado por Amy Poehler e Tina Fey.



Melhor filme – Drama: Boyhood


"O filme conta a história de um casal de pais divorciados (Ethan Hawke e Patricia Arquette) que tenta criar seu filho Mason (Ellar Coltrane). A narrativa percorre a vida do menino durante um período de doze anos, da infância à juventude, e analisa sua relação com os pais conforme ele vai amadurecendo." AdoroCinema

Indicados:
"Foxcatcher"
"O jogo da imitação"
"Selma"
"A teoria de tudo"



Melhor filme – Comédia ou musical: O Grande Hotel Budapeste


"No período entre as duas guerras mundiais, o famoso gerente de um hotel europeu conhece um jovem empregado e os dois tornam-se melhores amigos. Entre as aventuras vividas pelos dois, constam o roubo de um famoso quadro do Renascimento, a batalha pela grande fortuna de uma família e as transformações históricas durante a primeira metade do século XX." AdoroCinema

Indicados:
"Birdman"
"Caminhos da floresta"
"Pride
"Um santo vizinho"



Melhor diretor: Richard Linklater ("Boyhood")


Essa foi a primeira edição do Globo de Ouro em que Richard Linklater recebeu indicações. Além de receber esse prêmio, o diretor também foi indicado na categoria de Melhor Roteiro. Seu primeiro filme a alcançar o sucesso foi "Before Sunrise" (Antes do Amanhecer), que lhe rendeu o Leão de Prata de melhor diretor. O Filme virou uma trilogia e os sucessores foram "Before Sunset" (Antes do Pôr-do-Sol) e "Before Midnight" (Antes da Meia-Noite).

Indicados:
Wes Anderson ("O grande hotel Budapeste")
Ava Duvernay ("Selma")
David Fincher ("Garota exemplar")
Alejandro González Iñárritu ("Birdman")




Melhor ator – Drama: Eddie Redmayne ("A teoria de tudo")


Esta foi sua 1ª indicação ao Globo de Ouro.

Em 2012 ele co-estrelou o Filme “Os Miseráveis” do diretor Tom Hooper, interpretando o papel de Marius Pontmercy. Um jovem revolucionário que busca o amor e vira amigo de Éponine, personagem de Samantha Barks.

Indicados:
Steve Carell ("Foxcatcher")
Benedict Cumberbatch ("O jogo da imitação")
Jake Gyllenhaal ("O abutre")
David Oyelowo ("Selma")



Melhor atriz – Drama: Julianne Moore ("Para Sempre Alice")


Esta foi sua 9ª indicação ao Globo de Ouro e sua 3ª vitória.

Em 1994 a atriz recebeu um prêmio especial que foi dado a todo o elenco do filme "Short Cuts - Cenas da Vida". Em 98 foi indicada por "Boogie Nights", em 2000 foi indicada por "Fim de Caso" e por "O Marido Ideal". Em 2003 por "Longe do Paraíso", em 2010 por "Direito de Amar", em 2011 por "Minhas Mães e Meu Pai", em 2013 por "Virada no Jogo" e agora em 2015 recebeu também uma indicação por seu trabalho em "Mapa para as Estrelas".

Indicadas:
Jennifer Aniston ("Cake")
Felicity Jones ("A teoria de tudo")
Rosamund Pike ("Garota exemplar")
Reese Witherspoon ("Livre")



Melhor ator – Comédia ou musical: Michael Keaton ("Birdman")


Esta foi a sua 2ª indicação e sua 1ª vitória no Globo de Ouro.

Em 2003 ele foi indicado na categoria de melhor ator em Minissérie ou Filme feito pra TV, por sua atuação em "Ao Vivo de Bagdá".


Indicados:
Ralph Fiennes ("O grande hotel Budapeste")
Bill Murray ("Um santo vizinho")
Joaquin Phoenix ("Vício inerente")
Christoph Waltz ("Big eyes")



Melhor atriz – Comédia ou musical: Amy Adams ("Grandes olhos")


Esta foi a sua 6ª indicação e sua 2ª vitória em anos consecutivos na mesma categoria.

Amy Adams ganhou em 2014 pela atuação em 'Trapaça" e foi indicada 2008 por sua atuação em "Encantada", em 2009 por sua atuação em "Dúvida", em 2011 por sua atuação em "O Vencedor" e em 2013 por sua atuação em "O Mestre".

Indicadas:
Emily Blunt ("Caminhos da floresta")
Helen Mirren ("A 100 passos de um sonho")
Julianne Moore ("Mapa para as estrelas")
Quvenzhané Wallis ("Annie")



Melhor Ator Coadjuvante: J.K. Simmons ("Whiplash")


Esta foi a primeira indicação do ator ao Globo de Ouro. 

J. K." Simmons é conhecido pelo seu papel em séries como Oz, da HBO, na qual viveu um neonazista, e atualmente como o assistente-chefe Will Pope em The Closer, da TNT. Também participou dos filmes do Homem-Aranha, dirigidos por Sam Raimi.

Indicados:
Robert Duvall ("O juiz")
Ethan Hawke ("Boyhood")
Edward Norton ("Birdman")
Mark Ruffalo ("Foxcatcher")



Melhor Atriz Coadjuvante: Patricia Arquette ("Boyhood")


Esta foi a sua 4ª indicação ao Globo de Ouro e sua 1ª vitória.

Por três anos seguidos (2006, 2007 e 2008) ela foi indicada na categoria de Melhor Atriz em Série de Drama, pela sua atuação em Medium.


Indicadas:
Jessica Chastain ("A Most Violent Year")
Keira Knightley ("O jogo da imitação")
Emma Stone ("Birdman")
Meryl Streep ("Caminhos da floresta")




Melhor roteiro: Alejandro González Iñárritu ("Birdman")


"No passado, Riggan Thomson (Michael Keaton) fez muito sucesso interpretando o Birdman, um super-herói que se tornou um ícone cultural. Entretanto, desde que se recusou a estrelar o quarto filme com o personagem sua carreira começou a decair. Em busca da fama perdida e também do reconhecimento como ator, ele decide dirigir, roteirizar e estrelar a adaptação de um texto consagrado para a Broadway." AdoroCinema


Indicados:
Wes Anderson ("O grande hotel Budapeste")
Gillyan Flinn ("Garota exemplar")
Richard Linklater ("Boyhood")
Graham Moore ("O jogo da imitação")



Melhor trilha original para filme: Johann Johannsson – "A Teoria de Tudo"


Baseado na biografia de Stephen Hawking, o filme mostra como o jovem astrofísico (Eddie Redmayne) fez descobertas importantes sobre o tempo, além de retratar o seu romance com a aluna de Cambridge Jane Wide (Felicity Jones) e a descoberta de uma doença motora degenerativa,  quando ele tinha apenas 21 anos. AdoroCinema

Indicados:
Alexandre Desplat – "O jogo da imitação"
Trent Reznor & Atticus Ross – "Garota exemplar"
Antonio Sanchez – "Birdman"
Hans Zimmer – "Interestelar"



Melhor canção original para filme: "Glory" – "Selma" (John Legend, COmmon)


"Cinebiografia do pastor protestante e ativista social Martin Luther King, Jr (David Oyelowo), que acompanha as históricas marchas realizadas por ele e manifestantes pacifistas em 1965, entre a cidade de Selma, no interior do Alabama, até a capital do estado, Montgomery, em busca de direitos eleitorais iguais para a comunidade afro-americana." AdoroCinema

Indicados:
"Big Eyes" – "Big Eyes" (Lana Del Rey)
"Mercy Is" – "Noé" (Patty SMith, Lenny kaye)
"Opportunity" – "Annie"
"Yellow Flicker Beat" – "Jogos Vorazes: A esperança – Parte 1" (Lorde)



Melhor filme de animação: "Como treinar seu dragão 2"



"Cinco anos após convencer os habitantes de seu vilarejo que os dragões não devem ser combatidos, Soluço (voz de Jay Baruchel) convive com seu dragão Fúria da Noite, e estes animais integraram pacificamente a rotina dos moradores da ilha de Berk. Entre viagens pelos céus e corridas de dragões, Soluço descobre uma caverna secreta, onde centenas de novos dragões vivem. Juntos, eles precisarão proteger o mundo que conhecem do perigoso Drago Bludvist (Djimon Hounson), que deseja controlar todos os dragões existentes". AdoroCinema

Indicados:
"Operação Big Hero"
"Festa no céu"
"Os Boxtrolls"
"Uma aventura Lego"



Melhor filme estrangeiro: "Leviatã" (Rússia)




"Numa península do Mar de Barents, no Ártico, um pai de família (Aleksey Serebryakov) luta contra os desmandos de um prefeito corrupto. Para enfrentar o político que tenta desalojá-lo, ele recorre a um colega de Moscou". AdoroCinema


Indicados:
"Força Maior" (Suécia)
"Gett" (Israel, Alemanha, França)
"Ida" (Polônia)
"Tangerines" (Estônia)
Leia Mais ››

20 de janeiro de 2013

Django Livre (2012)


Dr. King Schultz (Christoph Waltz), caçador de recompensas alemão, está em busca dos assassinos irmãos Brittle, e somente Django (Jamie Foxx) pode levá-lo a eles. O pouco ortodoxo Schultz compra Django com a promessa de libertá-lo quando tiver capturado os irmãos Brittle, vivos ou mortos. Porém os dois homens decidem continuar juntos em busca dos criminosos mais perigosos do sul dos EUA. Dotado de um notável talento de caçador, além das recompensas, Django tem como objetivo encontrar e resgatar Broomhilda (Kerry Washington), sua esposa, que ele não vê desde que ela foi adquirida pela família Candie, há muitos anos.

Dirigido por Quentin Tarantino
Com: Jamie Foxx, Christoph Waltz, Leonardo DiCaprio, Kerry Washington, Samuel L. Jackson, Jonah Hill, Don Johnson, Walton Goggins.

Eis que após um longa não menos do que genial (Bastardos Inglórios), Tarantino ressurge 3 anos depois mostrando que ainda domina a arte de dirigir "pequenas" obras-primas. Dessa vez uma homenagem incrível ao cinema cult italiano.  "Django" é um filme de 1966, dirigido por Sergio Corbucci e estrelado por Franco Nero - que inclusive faz uma participação neste filme de Tarantino.

Diferente do italiano, o protagonista aqui é negro. O diretor aproveita a oportunidade para brincar um pouco com os filmes da onda Blaxpoitation dos anos 1970 e com os "Spaghetti Westerns". Abrindo um parênteses: Blaxploitation foi um movimento cinematográfico norte-americano que surgiu no início da década de 70. A palavra é uma fusão de black ("negro") e explotaition ("exploração"). Os filmes eram protagonizados e realizados por atores e diretores negros e tinham como publico alvo, principalmente, os negros norte-americanos. Enquanto que o Spaghetti Western, como o nome sugere, é um Western Italiano, que surgiu na década de 60 com o estilo de filmagem do Sergio Leone.

Mas voltando ao que interessa. "Django Livre" pra mim foi genial dos créditos iniciais aos finais. Genial desde o bom-humor escrachado do roteiro, até às críticas despretensiosas como no caso da cena que faz referência à estupidez da Ku Klux Klan. E tudo isso aliado a uma produção caprichada e ainda à uma trilha sonora espetacular, um show à parte, no melhor estilo marcante digno do cinema de Tarantino (vide a trilha de Kill Bill, para citar apenas 1 exemplo). 

Eu poderia parar de falar por aqui, mas acho injusto deixar de citar a atuação magistral daquele que rouba a cena todas as vezes em que aparece: Christoph Waltz. Assim como em Bastardos Inglórios,  Waltz simplesmente domina seu personagem com uma sede de atuação impressionante. Adorei o trabalho do Leonardo DiCaprio, assim com o bom desempenho do Jamie Foxx. Mas quando o Dr. King Schultz entrava em cena não tinha pra mais ninguém! Talvez até chegar na segunda metade do filme, quando o Samuel L. Jackson entra em cena com o  igualmente surpreendente "Stephen", pra mim uma das injustiças dessa temporada de premiações. Django é, dentre outras coisa, também uma confirmação de Tarantino como um diretor de atores.


Nomeado ao OSCAR de Melhor Filme, Melho Ator Coadjuvante (Christoph Waltz), Melhor Roteiro Original, Melhor Fotografia e Melhor Edição de Som
Nomeado ao Globo de Ouro de Melhor Filme Drama, Melhor Diretor e Melhor Ator Coadjuvante (Leonardo DiCaprio).Nomeado ao BAFTA de Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Christoph Waltz), Melhor Roteiro Original, Melhor Montagem e Melhor Som.Nomeado ao Producers Guild Awards de Melhor Filme.
Vencedor do Globo de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante (Christoph Waltz) e Melhor Roteiro.
Vencedor do AFI Award de Filme do Ano.
Vencedor do Hollywood Film Award de Roteirista do Ano (Quentin Tarantino).
Vencedor do NBR Award de Melhor Ator Coadjuvante (Leonardo DiCaprio) e do Prêmio Top Films.
Vencedor do SDFCS Award (San Diego Film Critics Society Awards) de Melhor Ator Coadjuvante (Christoph Waltz).


Leia Mais ››

17 de janeiro de 2013

Indomável Sonhadora (2012)

Hushpuppy (Quvenzhané Wallis) é uma menina de apenas 6 anos de idade que vive em uma comunidade miserável isolada às margens de um rio. Ela está correndo o risco de ficar órfã, pois seu pai (Dwight Henry) está muito doente. Ele, por sua vez, se recusa a procurar ajuda médica. Um dia, pai e filha precisam lidar com as consequências trazidas por uma forte tempestade, que inunda toda a comunidade. Vivendo em um barco, eles encontram alguns amigos que os ajudam. Entretanto, o pai vê como única saída explodir a barragem de uma represa próxima, o que faria com que a água baixasse rapidamente e a situação voltasse a ser como era antes.

Dirigido por Benh Zeitlin
Com: Quvenzhané Wallis, Dwight Henry, Levy Easterly, Lowell Landes, Pamela Harper, Philip Lawrence, Jonshel Alexander, Gina Montana, Jimmy Lee Moore.

A estreia do Nova Iorquino Benh Zeitlin no cinema pode ser considerada poderosa. Filme marcante, bem premiado, com produção, roteiro e elenco caprichadíssimos. Uma mistura de miséria, fantasia (!!), atores inexperientes (mais da metade deles é da mesma região do estado de Louisiana em que o filme se passa, incluindo a protagonista Quvenzhané Wallis), e um diretor estreante (porém muito talentoso) para realizar essa fábula moderna basicamente narrada através do olhar ingênuo e peculiar de uma garota órfã de mãe criada pelo pai aprendendo a ser forte para sobreviver à dureza da vida. E deu certo.

Apesar dessa dureza nos ensinamentos absorvidos do pai pela Hushpuppy, o filme é carregado de momentos de pura ternura e muita fantasia que deve fazer parte do mundo de qualquer criança. Assim como toda a comunidade da "Banheira" (inspirada na Isle de Jean Charles na Louisiana, onde a comunidade local insiste em permanecer mesmo em condições precárias exatamente como acontece no filme), os dois enfrentam muitos problemas de ordem pública e social. E por mais que a própria educação dedicada à menina seja questionável e que seja considerada dura a realidade daquelas pessoas, os momentos resultantes desses ensinamentos chegam a ser comoventes, apesar de pouco ortodoxos. Worth Watching.



* Nomeado ao OSCAR de Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Atriz (Quvenzhané Wallis) e Melhor Roteiro Adaptado.
* Nomeado ao BAFTA de Melhor Roteiro Adaptado (Lucy Alibar e Benh Zeitlin).
* Nomeado ao BFCA (Critics Choice Award) de Melhor Filme, Melhor Atriz (Quvenzhané Wallis) e Melhor Atriz Jovem (Quvenzhané Wallis).
* Vencedor em CANNES dos prêmios: FIPRESCI Prize - Un certain regard (prêmio da Federação Internacional de Críticos de Cinema), Caméra d'Or (Câmera de Ouro), Prix Regards Jeune e Prize of the Ecumenical Jury - Special Mention.
* Vencedor do AFI Award de Filme do Ano.
* Vencedor de dois prêmios no Deauville Film Festival (França): Grand Special Prize de Melhor Filme e do Revelations Prize de Melhor Diretor.
* Vencedor do Durban International Film Festival (África do Sul) de Melhor Diretor.
* Vencedor do Ghent International Film Festival (Bélgica): Youth Jury Award - Proximus Generation ExploreZone Award - Melhor Diretor.
* Vencedor do Hollywood Film Festival: New Hollywood Award - Melhor Atriz (Quvenzhané Wallis).
* Vencedor do LAFCA Award de Melhor Trilha Sonora, Melhor Ator Coadjuvante e do New Generation Award para Benh Zeitlin.
* Vencedor do NBR Award de Melhor Revelação (Quvenzhané Wallis), Melhor Atriz Revelação (Quvenzhané Wallis), Melhor Atriz (Quvenzhané Wallis) e Melhor Diretor Reveleção.
* Vencedor do Sundance Film Festival de Melhor Fotografia Dramática e do Grand Jury Prize de Melhor Direção Dramática.
*  Vencedor do WAFCA Award de Melhor Atriz Infantil (Quvenzhané Wallis).
Leia Mais ››

14 de janeiro de 2013

Moonrise Kingdom (2012)


Anos 60, em uma pequena ilha localizada na costa de New England, Sam (Jared Gilman) e Suzy (Kara Hayward) sentem-se deslocados em meio às pessoas com que convivem. Após se conhecerem em uma peça teatral na qual Suzy atuava, eles passam a trocar cartas regularmente. Um dia, resolvem deixar tudo para trás e fugir juntos. O que não esperavam era que os pais de Suzy (Bill Murray e Frances McDormand), o capitão Sharp (Bruce Willis) e o escoteiro-chefe Ward (Edward Norton) fizessem todo o possível para reencontrá-los.

Dirigido por Wes Anderson. 
Com: Jared Gilman, Kara Hayward, Edward Norton, Bruce Willis, Bill Murray, Frances McDormand, Tilda Swinton, Jason Schwartzman, Bob Balaban e Harvey Keitel.

Típico cinema de Wes Anderson. Pra quem gosta do trabalho dele é um prato cheio, eu particularmente! rs Adoro diretores com personalidade na direção. Diretores que apesar de seguirem sempre um mesmo ritmo consegue dar vida a cada um dos seus longas sem no entanto cair na mesmice. Há quem pense o contrário e sinta-se entediado a cada filme dele (respeito). Mas acredito que mesmo estes possam gostar muito - ou pelo menos um pouco - de 'Moonrise Kingdom'. Senti  nesse trabalho mais capricho na produção do que seus últimos trabalhos em live-action, achei o filme um pouco mais cuidadoso. Não só nas locações, que são impressionantes, mas no trabalho como um todo: roteiro, que ajuda muito, atuações, arte etc.




* Nomeado à Palma de Ouro em Cannes.
* Nomeado ao Globo de Ouro de Melhor Filme - Comédia ou Musical. 
* Nomeado ao OSCAR de Melhor Roteiro Original (Wes Anderson, Roman Coppola). 
* Nomeado ao BAFTA de Melhor Roteiro Original (Wes Anderson, Roman Coppola). 
* Nomeado ao BFCA (Critics Choice Award) nas categorias Melhor Elenco, Melhor Roteiro Original (Wes Anderson, Roman Coppola), Melhor Filme, Melhor Trilha Sonora (Alexandre Desplat) e Melhor Atriz Jovem (Kara Hayward).
* Vencedor do AFI Award de Filme do Ano.
* Vencedor do BSFC Award de Melhor Trilha Sonora.
* Vencedor do Gotham Awards (NY) de Melhor Filme.
* Vencedor do NBR Award Top Ten Independent Films.


Leia Mais ››