!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

3 de junho de 2009

Filmes do Mês | Maio

Bom, mais um mês se foi (como esse ano tá passando rápido, hein?) e aqui estou eu para mais um "Filmes do Mês" =D Mas antes eu gostaria de me desculpar pela falta de atualizações, a coisa está um pouco complicada para mim graças ao bendito final de semestre na faculdade. Trabalhos. Provas. Enfim. Mas essa tortura já acaba amanha e na sexta o blog já deve voltar com mais um post sobre a divulgação da estréia do filme "HOME" e de quebra ainda vai rolar mais uma promoção, dessa vez o prêmio não será ingressos, mas vamos manter o suspense um pouco, em breve vocês terão mais detalhes. Então, o intuito do post de hoje é resumir como foi o mês pra mim, em termos de cinema. E sem muitos arrodeios, foi bem pobrinho, não pela qualidade dos filmes, vi ótimos filmes esse mês, mas por ter empatado com Março, que até então tinha sido o "pior mês" (eu só consegui ver 13 filmes). Então juntos agora eles já formam a laterninha desse ano na minha lista de filmes por mês, espero que não caia mais que isso. hhahahaha. Mas enfim, vamos aos filmes:





01. Rumba [Dominique Abel, Fiona Gordon e Bruno Romy, 2008] A- (9.0)
"O que era para ser dramático, no entanto, é a deixa para mais sequências que rendem muitas gargalhadas. Entretanto, o que faz de ”Rumba” uma realização cinematográfica tão simpática são vários recursos utilizados pelos diretores e também intérpretes que parecem homenagear o cinema clássico. A imprensa especializada aponta as obras do falecido francês Jacques Tati como a fonte de inspiração de “Rumba”. Mas o trabalho com sombras, silêncio, movimentos, danças e cores transmite um ar nostálgico do velho cinema de modestos truques visuais que enriqueciam a magia. Um barato! [Alex Gonçalves, Cine Resenhas]






02. Sinédoque, Nova York [Charlie Kaufman, 2008] B+ (8.0)
Sinédoque é mais uma de suas (Kaufman) maravilhas, mas tem uma diferença das anteriores. Quem a leva para as telas é ele mesmo, encarando a direção pela primeira vez. [...] O roteiro e o elenco superiores não são capazes, porém, de fazer um filme brilhante. [...] Talvez alguns cortes de roteiro ou uma edição mais cuidadosa e menos apegada fossem necessárias para um resultado mais empolgante. Mas se não é fácil para ninguém cortar qualquer parte de um roteiro escrito por Charlie Kaufman, imagine com ele mesmo tomando conta do filme. Apesar dos problemas, é um filme que merece ser assistido e, de preferência, mais de uma vez, pois muita coisa só deve ser percebida numa segunda olhada. Para ver com calma e paciência. [Cecilia Barroso, Cenas de Cinema]

03. Star Trek [J.J. Abrams, 2009] B+ (8.0)
"Além do roteiro que traz alguns excelentes diálogos que fazem inveja a qualquer um dos filmes recentes da série Star Wars, a grande força da produção reside mesmo no talento e criatividade de J.J. Abrams. Responsável por algumas das melhores séries de TV da última década, o diretor parece planejar com muitos detalhes cada sequência do filme, intercalando na medida certa o ritmo ágil com os momentos mais emocionantes. Abrams é um grande cineasta e ao que tudo indica ainda não deixou o sucesso subir à sua cabeça. Esperamos, para o bem do cinema, que continue assim." [Vinicius Pereira, Blog do Vinícius]

04. Anjos e Demônios [Ron Howard, 2009] B+ (8.0)
05. Fogo Contra Fogo [Michael Mann, 1995] B+ (8.0)






06. Monstros vs. Alienígenas [Rob Letterman, Conrad Vernon, 2009] B- (7.0)
"O roteiro pode estar longe de ser um primor, mas acerta na diversão, na homenagem aos filmes B, e na criação de um universo fantástico baseado em criaturas clássicas do terror e da ficção científica utilizadas aqui de forma criativa. Talvez seja um bom começo para uma nova franquia do cinema americano. E, mais do que isso, pode significar a consolidação do 3D como a nova mania da sétima arte para arrancar o povo de casa. Mas se você não é capaz de entrar no clima desta aventura cheia de atrativos técnicos, nerds e infantis, não há outra razão para arriscar uma sessão de Monstros Vs. Alienígenas." [Otávio Almeida, Hollywoodiano]

07. Che [Steven Soderbergh, 2008] B- (7.0)
Entre imagens estáticas e uso de câmera na mão, Soderbergh consegue o equilíbrio técnico e fotografia trabalhada, realmente nos colocando ali, dentro da mata, junto com o exército, sem perder o cheiro do passado deixado entre o espectador e a tela. A fidelidade é realmente grande, sem contar o mais óbvio ponto da produção: A atuação de Benício Del Toro. O porto-riquenho é um monstro. Para mostrar o lado humano e preocupado com a boa índole e a justiça dentro de seu grupo, Del Toro consegue ir da serenidade a função de sua autoridade sem muitos problemas. Mesmo com muitos personagens importantes da história, a obviedade de personagens coadjuvantes aumenta perto da atuação de Del Toro. [Pedro Tavares, Cinema O Rama]

08. Austrália [Baz Luhrmann, 2008] B- (7.0)
"O diretor australiano Baz Luhrmann é alguém que preza muito a qualidade estética de suas obras. Em “Austrália”, não foi diferente, uma vez que elementos como a fotografia e os figurinos são de extremo bom gosto. No entanto, o ritmo videoclíptico que o diretor imprime às suas obras acaba não encaixando bem com o formato épico de seu trabalho mais recente. Filmes desse gênero necessitam de um ritmo mais lento e, principalmente, de um bom desenvolvimento de história. E é justamente em relação a este último aspecto que “Austrália” peca mais – o roteiro desperta mais sono do que interesse pela jornada de Lady Sarah Ashley." [Kamila, Cinéfila por Natureza]

09. Por Amor [David Hollander, 2009] B- (7.0)
10. Close to Leo [Christophe Honoré, 2002] B- (7.0)
11. O Velho - A História de Luiz Carlos Prestes [Toni Venturi, 1997] B- (7.0)





12. Os Delírios de Consumo de Becky Bloom [P. J Hoogan, 2009] C+ (6.0)
A história é bobinha, mas diverte e é muito bem levada por P. J Hoogan e seu elenco, com destaque especial para a bonitinha e engraçada Isla Fischer [...]. Claro que é clichê demais e segue a mesma receitinha pronta de tantos outros filmes que já vimos por aí. [...] Mas não deixa de ser uma boa opção para dias em que rir é um excelente pedida e pensar é algo que não está muito nos planos. Daqueles para sentar, relaxar e curtir. Pelas conversas depois do filme, muita mulher ficou um pouco chocada com o extremo consumista de Becky. Tanto que a saída geralmente é direto do cinema para o carro, sem passeios pelo shopping. Aqui em casa, inclusive, resultou em alguns cartões guardados bem longe da carteira. [Cecilia Barroso, Cenas de Cinema]

13. Em Boa Companhia [Paul Weitz, 2004] C+ (6.0)

6 comentários:

Wally disse...

Vi esses:

Star Trek **** [8.5]
Anjos e Demônios *** [7.5]
Fogo Contra Fogo ***** [9.0]
Austrália *** [7.0]
Em Boa Companhia *** [7.5]

Ciao!

ps: to doido para ver Sinédoque.

Pedro Henrique disse...

Tchê, Che é muito bom. O melhor filme do Soderbergh!

Abs!

Kamila disse...

Dos que eu vi:

Star Trek: ****
Anjos e Demônios: ****
Fogo Contra Fogo: ****
Monstros vs Alienígenas: ***
Austrália: ** 1/2
Em Boa Companhia: ***

Anderson disse...

Como assim Sinédoque e Fogo contra Fogo no mesmo nível de Anjos e Demônios???? :-O

Vinícius P. disse...

Não vi muitos filmes do que você listou aqui, afinal estou sem muito tempo ultimamente. Valeu pela citação! Dos que vi:

Star Trek: B+ 8.5 ****
Monstros vs. Alienígenas: B- 7.5 ***
Austrália: C+ 7.0 ***
Em Boa Companhia: B- 8.0 ****

nitzombies disse...

olá!

cara, eu me divirti bastante vendo Em Boa Companhia. é o tipo de comédia que eu curto bastante.

mesma nota pra anjos e demonios e stark trek? hmmm... preciso assistir a adaptação do dan brown, vc não é o primeiro a falar bem dela. é q eu to meio com medo de desperdiçar grana no cinema devido a decepção q foi Código Da Vinci.

pretendo assistir!

Abraços!