!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

23 de junho de 2008

Nina

Nina
País de Origem: Brasil
Gênero: Drama
Ano de Lançamento: 2004
Direção: Heitor Dhalia

Nina marcou a estréia do diretor Heitor Dhalia, o longa é uma adaptação livre de "Crime e Castigo", de Dostoiévski. No livro, um estudante pobre desenvolve uma teoria que divide os homens entre "ordinários" e "extraordinários". Ao se enquadrar na segunda opção, o jovem tem a idéia de assassinar uma velha agiota. No longa de Heitor Dhalia, que se passa em São Paulo, num ambiente totalmente underground, Nina (Guta Stresser) uma jovem pobre, que procura um meio de sobrevivência na sociedade desumana de hoje, mora num quarto alugado no apartamento de Eulália (Myriam Muniz), uma velha mesquinha que explora a jovem, e a humilha a todo instante. Torturada psicologicamente pela velha e sempre sobre o efeito das drogas, Nina entra num mundo de ilusões e onde não se sabe ao certo o que é verdade e o que é somente ilusão.

Nina reproduz a cruel realidade das cidades grandes, principalmente para quem não está acostumado com aquele ritmo frenético. O mundo de Nina vira-se contra ela, que vai desaparecendo aos poucos, até ser esquecida pelos amigos que negam ajudam quando ela mais precisa, a que está disposta a ‘ajudar’ é rejeitada por ela, também pudera, a ajuda parecia mais um presente de grego, como se a coitada precisasse de mais problemas. Além disso, ela mesma chega a se perde no seu próprio mundo, um mundo de delírio, capaz de ser criado somente pela mente humana. Desconfortável, isso.

Guta Stresser entrega um ótimo desempenho, porém por mais que Guta faça um bom trabalho, sempre que contracena com Myriam acaba sendo ofuscada. Myriam Muniz, em seu último trabalho, pelo qual ganhou Prêmio de Melhor Atriz, póstumo, do Festival de Porto Alegre, prova que está bem acima da média nacional, num papel completamente caricato, porém desenvolvido com uma técnica louvável, e roubando todas as cenas. Além delas, o filme conta com a presença de Wagner Moura, Selton Mello, Lázaro Ramos, Matheus Nachtergaele, Renata Sorrah e Guilherme Weber, com pequenas participações.

Com uma ótima direção, uma fotografia sombria retratando com perfeição o mundo escuro no qual ela vive e uma excelente direção de arte, além de uma interessante trilha sonora do sempre competente Antônio Pinto, que compôs a trilha de "Cidade de Deus" O longa ainda conta com os animes desenhados por Lourenço Mutarelli, um dos mais respeitados artistas de histórias em quadrinhos do Brasil, retratando os delírios violentos de Nina.

Destaque nos Festivais de Rotterdam e Los Angeles, "Nina" recebeu o Prêmio da Crítica no Festival de Moscou, o Prêmio de Melhor Direção no Festival de Nova York e o de Melhor Fotografia no Festival de Lima. Não bastasse o trabalho de Heitor Dhalia ainda foi comparado com o de David Lynch em muitos dos festivais internacionais por onde passou. Devido às inserções pertinentes dos sonhos de Nina, semelhante ao encontrado nos filmes de Lynch.

Cotação: 9.0

12 comentários:

cinevita disse...

Já me disseram que é ótimo mesmo. Alguns arriscam dizer que é o melhor nacional já feito. Pena que não consigo encontrá-lo!

Ciao!

Sérgio Déda disse...

É muito bom.. Dhalia surge com um novo tipo de cinema nacional, confirmado logo dps com O Cheiro do Ralo... batante superior a Nina, mas q naum tira seus créditos..

Ygor Moretti Fiorante disse...

Ótimo filme memso inclusive foi o meu primeiro post no Moviemento, além duma grande história a fotografia o preto e branco do filme é coisa de loco, e a atuação do elenco é acima da média...

Ramon disse...

Nossa mãe, um projeto com grandes nomes. Imperdível! Outra grande dica do Talking About Movies que não posso deixar de conferir.
Abraço!

Vinícius P. disse...

Ainda não vi esse trabalho do diretor Heitor Dhalia, até pelo motivo de nunca ter encontrado em DVD por aqui, mas sem dúvida tenho muita curiosidade - afinal, seu filme posterior é muito bom. Abraço!

Pedro Henrique disse...

Tenho medo dessas inspirações na obra máxima de Dostoévski. Mas ao que parece, Nina consegue um bom resultado.

Abraço!!!

Marcel Gois disse...

Wally, é realmente um grande filme, não sei se o melhor nacional já feito por que não me acho preparado para tal afirmação, mas com certeza um dos melhores.

Serginho, apesar de ter gostado muito de "O Cheiro do Ralo", não achei tão superior a "Nina", são duas grandes ousadias nacionais. Merecem todo o destaque.

Ygor, eu li o seu texto sobre "Nina", ficou muito bom. =D
E a do filme realmente chama muito a atenção.

Ramon, grandes nomes mesmo. Não deixe de conferir, vale a pena.

Vinícius, continue procurando, qualquer coisa faz uma encomenda com o Paul Torrent, vale o risco. =D

Pedro Henrique, "Nina" realmente consegue um ótimo resultado, confesso que me surpreendi com a produção. =)

Marcel Gois disse...

Esqueci de comentar no texto, mas a Direção de Arte também está de parabéns! É excelente, todos os cenários foram construído com materiais adquirido em demolição. Com isso, obteve-se a sensação de gastura, de passagem do tempo, de um clima decadente.

cinefilapornatureza disse...

Marcel, eu acho "Nina" um filme genial. Me lembro que, quando o assisti, foi uma experiência completamente diferente para mim. E o longa continua a ser único e original dentre a produção cinematográfica brasileira.

Petter disse...

Fala marcel, tá sumido hein cara!
Pois é eu também nunca nem liguei pra Jericho série mediana né =P

Ah cara eu curto TODOS os Law & Order, são otimos!

Abraços!

Lucas Santtos disse...

Tai um filme que nao me chamou a atençãO! HAUSDHUASHUH! Mais tdo bem! Faz partee!

Cara tu ja foi ver as novidades que estao nos cinemas?

Marcel Gois disse...

Kamila, é realmente uma experiência bem diferente, o filme é mesmo genial.

Petter, pois é todo mundo fala mal de Jericho, nem me interesso, agora que foi cancelada, menos ainda

Lucas, o filme é ótimo, acho que você não vai se arrepender se assistir. E quanto as novidades do cinema, estou por dentro mas não tenho ido freqüentemente ao cinema, a ultima vez foi pra assistir "Efeito Dominó", bem bom, por sinal.