!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

6 de setembro de 2008

A Última Noite

Título Original: A Prairie Home Companion
País de Origem: EUA
Gênero: Comédia / Musical
Ano de Lançamento: 2006
Direção: Robert Altman

O filme conta a história de um programa de radio que é gravado ao vivo numa cidade do estado de Minessota. Apesar desse tipo de programa já não ser mais produzido há muitos anos, “A Prairie Home Companion” resistiu e continua indo ao ar todo sábado à noite. Mas a rádio foi comprada por um grupo do Texas, que pertence ao personagem do Tommy Lee Jones, que vai transformar o teatro onde o programa é gravado em um estacionamento. O filme trata especificamente da última noite do programa.

Os principais números musicais são das Irmãs Johnson (Meryl Streep e Lily Tomlin), e dos cantores caubóis Dusty e Lefty (Woody Harrelson e John C. Reilly) que só cantam bobagens de duplo sentido e fazem piadas em suas músicas, para desespero do estressado diretor do programa (Tim Russell) e sua assistente (Maya Rudolph). Lindsay Lohan é Lola Johnson, a filha de Meryl, que escreve poesias sobre suicídio e consegue uma chance de cantar no show e Kevin Kline é o detetive que procura emprego como porteiro e serve de narrador da trama. Ligando todos, está o apresentador do show, GK, vivido por ele mesmo: Gerrison Kellor. E em meio a tudo isso, um anjo, Virginia Madsen, vaga pelos camarins, amenizando a dor de algumas perdas.

Tomlin e Streep estão espetaculares como a dupla de irmãs caipira, assim como os ótimos Woody Harrelson e John C. Reilly. Todo mundo cantando bem as canções cafonas, mas com letras super criativas e engraçadas. Durante o programa eles lêem cartas dos fãs e fazem propaganda dos anunciantes através de jingles publicitários. O interminável, e engraçadissimo, anúncio de uma fita adesiva só perde para o anúncio de uma pizzaria satirizando “La Donna è Móbile”, de Verdi. Ótima sacada!

Em "A Última Noite", Altman mostra precisão ao entrelaçar as vidas dos mais variados personagens sem perder o fio da meada, nem cair na superficialidade. O humor simples, discreto e bizarro, no palco, é tão infalível quanto natural. É um filme que dá vontade de rever não só pelas ótimas atuações, principalmente dos quatro cantores principais, como também pelos criativos e divertidíssimos jingles publicitários.

Cotação: 8,0

CURIOSIDADE:
Do filme, quase tudo é verdade, o programa A Prairie Home Companion ainda existe. E inclusive o apresentador da ficção, Gerrison Kellor, é o apresentador na vida real. E é também o dono da idéia e do roteiro do filme. A única ficção da história é que o teatro não foi vendido e o show continua até hoje.


Off: Já tinha esse texto escrito há um tempo, resolvi postar hoje por que sonhei com o filme essa noite!! Oo Seria algum sinal?! auhsuahsuahsuahu

8 comentários:

Anônimo disse...

Marcel, aqui é o Fábio lá do Twitter. Estou passando para lhe avisar do meu blog novo: http://iamwatching.wordpress.com/

Ainda não tem muita coisa, mas dá uma passada lá. Já add o seu no blogroll.

Abs,

Vinícius P. disse...

Nossa, você sonhou com o filme? Isso acontece comigo de vez em quando, mas sou tão maluco que na maioria das vezes eu mesmo faço parte da ação. Em "Sobre Meninos e Lobos", por exemplo, fazia parte da polícia que investigava o caso. Foi algo sensacional, hehehe. Mas nada supera o sonho que tive com "Donnie Darko", foi algo assustador e que deixou meu dia muito estranho.

Bem, voltando ao filme, também gosto muito desse último trabalho do Altman, é uma maravilha ver todos esses atores cantando - até a Lindsay Lohan está bem! Abraço.

Marcel Gois disse...

Fábio, já dei uma passada lá e também já add o seu blog aqui no meu BlogRoll.

Vinícius, pois eh! Que coisa louca, faz tempo que eu vi esse filme e fui sonhar com ele só esses dias. kkkkk
Agora não lembro direito do sonho, mas lembro que eu via tudo da visão dos bastidores. kkkkk

Kamila disse...

Eu nunca sonhei com um filme! :-)

Mas, eu acho que "A Última Noite" vale pela mensagem que deixa com a gente: a de que o show continua, mesmo quando as cortinas se fecham. Foi uma belíssima obra para marcar o último trabalho de Robert Altman.

Pedro Henrique disse...

Esse eu ainda não vi. Aliás, conhecia pouco dele. Mas deve valer uma espiada. Abraço!!!

Sérgio Déda disse...

Último filme do Altman e ainda não assisti... nunca fui um grande fã dele, mas adorei M.A.S.H... uma comédia extremamente única...

Lucas [falsooperario] disse...

Nunca sonhei com filmes também.

Robert Altman é um dos meu diretores americanos favoritos.
Adorei esse filme, um ótimo réquiem para uma carreira mais ótima ainda.

Wally disse...

O filme é muito bom. Elenco excelente e bela história. O último Altman foi meu primeiro dele. E sonhar com filme é ótimo!

Nota 8,0

Ciao!